12 de junho de 2012

INFORMES IMPORTANTES DO SINTEAL

SINTEAL INFORMA! 1)    A diretoria do Sinteal vem mantendo contatos e FAZENDO uma PRESSÃO DIÁRIA junto à Secretaria de Estado da Educação para que o governo PAGUE – o mais RÁPIDO POSSÍVEL – a FOLHA SUPLEMENTAR do MÊS DE MAIO de 2012, do Nível Médio do Magistério – referente à APLICAÇÃO DO PERCENTUAL DO PISO NACIONAL DA EDUCAÇÃO, da ordem de 22,22 por cento. 2)    Estranhamente, o Governo do Estado de Alagoas, até o momento, NÃO providenciou a liberação desta FOLHA SUPLEMENTAR, que está, agora, dependendo de uma “definição” da Secretaria de Estado da Gestão Pública (!!!), segundo informações obtidas pelo Sinteal junto à Secretaria de Estado da Educação. 3)    O SINTEAL está recebendo inúmeros telefonemas e e-mails de servidores/as revoltados/as com a atitude do Executivo estadual, e, mais uma vez, COBRA do governo o PAGAMENTO IMEDIATO desta FOLHA SUPLEMENTAR, honrando o que deve ao nível médio do magistério.

*************************************

4)    Quanto às negociações gerais com o Governo do Estado, o SINTEAL não abre mão da REFORMULAÇÃO e UNIFICAÇÃO dos Planos de Cargos e Carreiras (PCCs) do magistério e das/os funcionárias/os de escola, bem como da APLICAÇÃO do reajuste de 22,22% (Piso Nacional), RENEGANDO os 6,5% que o Governo do Estado quer impor e que NÃO INTERESSA ao sindicato e à categoria. 5)    Quanto à luta pela construção do Plano de Cargos e Carreira Unificado, o SINTEAL informa que já foi feita uma MINUTA (primeiro rascunho) de PCC com este objetivo, que será apresentada nesta 4ª feira (13/06) à Comissão de Elaboração e Reformulação do Plano (da qual o SINTEAL faz parte). Caso esta Minuta seja acolhida pela Comissão, o próximo passo será realizar uma audiência com o Secretário de Estado da Educação para que seja dado o “OK” ao novo PCC, para ser, então, discutido aberta e democraticamente com a categoria, segmento por segmento. 6)    A posição do SINTEAL é de continuar BRIGANDO pela REFORMULAÇÃO do PCC para que seja CONQUISTADO um AUMENTO BEM MAIOR que os 6,5% colocados pelo Governo do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *