7 de fevereiro de 2019

Um Governo contra Alagoas e seu Povo!

Em carta recente ao Supremo Tribunal Federal (STF), o secretário da Fazenda do Estado de Alagoas, George Santoro, formulou pedido de quebra da garantia constitucional da irredutibilidade dos salários dos trabalhadores. Nesta mesma semana, o Governador Renan Filho defendeu a Reforma da Previdência em reunião dos governadores dos Estados do Nordeste.

Os governos, de há muito, optam por uma política fiscal que privilegia os grandes conglomerados econômicos e o mercado financeiro, em detrimento do acesso à população aos seus direitos através dos serviços públicos.

Em Alagoas, essa realidade assombra o conjunto dos servidores públicos, ativos e aposentados, que vê negada a sua valorização, enquanto se renova o danoso “acordo dos usineiros”, que possibilita à oligarquia que detém o poder econômico no estado manter seus privilégios históricos custeados pelo estado e pelo povo alagoano.

Nesse sentido, é extremamente estarrecedor constatar, justamente num estado tão desigual e com uma dívida histórica para com a maior parte da população (no acesso a educação, saúde e trabalho digno), que o Governo Renan Filho tem como “prioridade” o aprofundamento da desvalorização dos servidores públicos, através de uma política de baixos salários.

A defesa da Reforma da Previdência feita pelo próprio governador vai na mesma direção. O Estado de Alagoas tem uma das menores expectativas de vida do país, e ao invés de melhorar as condições estruturais que possibilitem oferecer dignidade aos aposentados, o governo defende absurdamente o não acesso ao direito à aposentadoria!

Quem não valoriza e não respeita o servidor público também não valoriza e não respeita a população, que, de resto, necessita desses serviços, que são garantidos por esses trabalhadores.

O compromisso do SINTEAL é o de defender os direitos históricos conquistados na luta, fazendo frente a esta agenda de retrocessos trazida pelo governo do estado.

Sem medo e com determinação, convictos de que estamos lutando por nossos direitos – que estão sob ataque -, avisamos: resistiremos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *