13 de maio de 2019

Sinteal repudia covarde ato de intolerância religiosa contra a “Casa de Resistência Abassá de Angola”

O Sinteal e o Coletivo Antirracismo Antônio Herculano repudiam veementemente o covarde ato de violência, depredação e intolerância religiosa executado, na madrugada desta segunda-feira, 13 de maio, contra a “Casa de Resistência Abassá de Angola”, coordenada pela Yalorixá Mãe Vera, localizada no bairro Tabuleiro do Martins. Ao mesmo tempo, o Sinteal espera que as autoridades policiais tenham rápido sucesso na apuração deste delito, com a prisão imediata dos facínoras depredadores, já que, de acordo com a Lei nº 9.459, de 15 de maio de 1997,  a prática de discriminação ou preconceito contra religiões é crime inafiançável e imprescritível, com pena de prisão de um a três anos, além de multa.

A violência cometida com o templo afro ganha contornos ainda mais fascistas tendo em conta o trabalho social realizado por “Mãe Vera” em sua “Casa de Resistência Abassá de Angola”, sempre acolhendo pessoas que lá chegam em completa situação de vulnerabilidade social.

Importante lembrar que, em 29 de abril passado, o secretário-geral das Organizações das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, denunciou mundialmente uma “onda de intolerância” em nível mundial, através de ataques a locais de culto. Guterres pediu à comunidade internacional um levante contra as formas de ódio que motivam esses atos intolerantes e fascistas.

Em um tenebroso momento da vida nacional, em que situações de ódio são exacerbadas pelo próprio Governo Federal, o Sinteal apela para a necessidade da prática de uma convivência pacífica entre todas as diferentes ideologias religiosas, para que possamos evitar, de uma vez por todas, atos como o perpetrado contra a “Casa de Resistência Abassá de Angola”.