29 de novembro de 2019

Tanque D’Arca, Maribondo, Belem e Colônia de Leopoldina: Sinteal fortalece ações em defesa da categoria

No interior de Alagoas, a atuação dos núcleos regionais do Sinteal mantém a defesa permanente dos/as trabalhadores/as da educação. Essa semana o núcleo de União dos Palmares organizou um dia de paralisação com protesto em Colônia de Leopoldina, já o núcleo de Palmeira dos Índios participou de audiência pública sobre os precatórios do FUNDEF em Tanque D’Arca e assembleia de funcionários da educação em Maribondo.

“Acompanhamos de perto tudo que acontece em todo o Estado, mas temos a certeza de que a categoria está bem representada porque os dirigentes eleitos em cada núcleo regional estão cumprindo o seu papel”, disse a presidenta do Sinteal, Consuelo Correia.

Tanque D’Arca

Na última terça-feira (26), uma sessão extraordinária na Câmara de Vereadores de Tanque D’Arca teve como pauta os precatórios do FUNDEF e o rateio para os profissionais da educação. Helenice Lopes, vice-presidenta do núcleo do Sinteal em Palmeira dos Índios, explicou o funcionamento da legislação e defendeu o destino do recurso para os trabalhadores.

Foi realizado longo debate com a presença do prefeito Will Valença e participação intensa do vereador de oposição, Flávio Belarmin. O prefeito garantiu que os 60% dos recursos estão intocáveis, sugerindo que os extratos podem ser solicitados junto à prefeitura por qualquer cidadão para comprovar.

“A sessão foi muito proveitosa tanto para os/as profissionais da educação quando para os vereadores, bastante esclarecedora”, disse Helenice Lopes.

Colônia de Leopoldina

Com a campanha salarial em andamento, os/as trabalhadores/as da educação de Colônia de Leopoldina fizeram um dia de paralisação na última quarta-feira (27). Organizado pelo núcleo regional de União dos Palmares o dia de luta teve um bom dialogo com a população através de uma panfletagem pelas ruas da cidade.

Maribondo

O núcleo de Palmeira também realizou uma assembleia no município de Maribondo. Na pauta, a sub-vinculação dos 60% do rateio. Em reunião com a categoria na última semana, o gestor municipal propôs uma divisão dos 60% do Fundeb da seguinte forma: 30% para os profissionais e 30% para o município (ou seja 50% dos recursos para cada).

Na proposta, o projeto seria enviado ao Ministério Público Federal, sob a autoria do prefeito, mas também seria enviada documentação para as escolas colhendo assinaturas dos profissionais do magistério, para que eles solicitem a mesma coisa. A categoria decidiu colocar o departamento jurídico do Sinteal no debate e definir uma reunião com a participação dos advogados para definir uma posição sobre a proposta.

Além dos trabalhadores da educação do município, estiveram presentes os dirigentes do núcleo Izael Ribeiro, Helenice Lopes e Carlos Teles, além dos vereadores Severino Melo e Hugo Lima presidente da casa legislativa.

Belém

Em Belém, o Sinteal realizou assembleia nesta quinta-feira (28) para discutir a proposta sobre o reajuste salarial apresentada pela gestão municipal para 2019. A categoria não recebeu bem a iniciativa, que na verdade era um pedido de adiamento para apresentar a proposta. Mesmo assim, para manter o diálogo aberto, prorrogou o prazo até o dia 3/12, onde será realizada uma reunião entre entre gestão municipal e direção do sindicato.