26 de novembro de 2021

Prefeitura de Arapiraca deixa servidores almoçarem no chão enquanto esperam reunião

Em Arapiraca, a educação continua sendo tratada com descaso pela gestão municipal. Na última quarta-feira (24), com reunião marcada pela prefeitura para 11h, uma cena lamentável foi registrada e se espalhou nas mídias sociais, a reunião não aconteceu e os educadores precisaram almoçar no chão em frente ao gabinete.

Paulo Henrique, presidente do Sinteal na região, explica que a reivindicação da categoria é de valorização e adequação à legislação nacional. “Estamos cobrando da prefeitura uma revisão das nossas carreiras. É importante esclarecer para a população arapiraquense que não se trata de uma reivindicação de aumento salarial, mas, sim, de uma recomposição de tabela. Temos um piso nacional, uma legislação federal, que serve de parâmetro para a valorização e o vencimento dos trabalhadores e trabalhadoras da educação. A realidade é que a Prefeitura de Arapiraca, hoje, tem um débito com a categoria da educação, que gera esta defasagem”.

Impacientes com a ausência de diálogo de Luciano Barbosa, a categoria se mobilizou e ocupou o Centro Administrativo do município de Arapiraca. Na ocasião, um dos secretários recebeu uma comissão e marcou a audiência do dia 24, que acabou não acontecendo e deixou o grupo esperando até o final do dia.

Célio Sampaio, dirigente do Sinteal, levantou o questionamento. “Como informou a própria gestão , há uma sobra milionária de recursos que vem destinada à valorização dos servidores e servidoras da Educação, isso quer dizer que não existe nenhum impedimento financeiro. A inflação está consumindo todo o poder de compra dos salários dos trabalhadores, se existem recursos financeiros para aplacar um pouco essa defasagem, por que não fazer?”

O silêncio da prefeitura está provocando revolta nos servidores. “Não deram nenhuma satisfação até agora, estamos mobilizando a categoria para encaminhar ações de luta e enfrentamento. A educação merece respeito”, finalizou Paulo.