4 de outubro de 2022

Sinteal realiza plenária para tratar pauta de funcionárias/os da rede municipal de Maceió

Na manhã desta terça-feira (4), o Sinteal reuniu em sua sede os profissionais da educação (funcionárias/os) da rede municipal de Maceió para dialogar sobre as pautas específicas deste segmento. Dando continuidade à unidade fortalecida na greve, a direção do sindicato trouxe informes da Mesa de Negociação Permanente com a Prefeitura de Maceió, e a categoria trouxe questionamentos sobre situações que estão vivendo.

“É um compromisso que assumimos, que com o fim da greve manteríamos esses espaços para dialogar com a categoria e continuar levando as pautas de luta para a negociação, que é permanente por conta das conquistas da greve”, disse a presidenta do Sinteal, Consuelo Correia.

A plenária também foi provocada pelo descumprimento da gestão em aplicar os 2% de reajuste para funcionários, respeitando o acordo da greve apenas para professores/as.

“A greve foi de toda a categoria, e só acabou com a garantia de que pagariam igualmente a todos e todas, para nossa surpresa, o contracheque saiu desta forma. Por isso mobilizamos para a luta. Com essa pressão, saiu a folha suplementar corrigindo o erro. E vamos continuar acompanhando para que o nosso direito não seja desrespeitado”, disse Renildes.

Outro ponto de pauta foi a questão dos funcionários que recebem abaixo do salário mínimo.

“Não é justo que a pessoa conquiste um reajuste e na hora que é implantado desaparecer porque não passa do mínimo constitucional. É dar com uma mão e tirar com a outra. Estamos vendo a possibilidade de criar uma lei para fazer adequações, mas isso pode demorar e o secretário informou que tem dialogado com a PGM para achar um caminho”.

A reunião abriu espaço para intervenções de todos os presentes, e com isso foram tratados muitos temas: Pessoas que não tiveram direito ao biênio ou que ficaram de fora dos precatórios do FUNDEF, atualização no Plano de Cargos e Carreiras, auxiliar de sala que fez concurso para professor de educação infantil e está sendo coagido a trabalhar com educação especial (mesmo sem ter formação adequada), tabela atualizada dos profissionais da educação que deve ser divulgada pelo Sinteal, reconhecimento do termo profissionais da educação para se referir à categoria em todos os materiais do Sinteal e, por fim, uma denúncia sobre escola que estaria sem merenda há meses.

“Fundamental esse espaço, esclarecemos todas as dúvidas e vamos correr atrás dos pontos que estão em aberto, apurar as denúncias e cobrar posicionamento da gestão para solucionar”, finalizou Consuelo.

Outubro Rosa

O Coletivo de Saúde do Trabalhador do Sinteal, juntamente com as psicólogas Maria de Lourdes e Fabiana Amorim realizaram uma ação de conscientização sobre o Outubro Rosa antes do início da plenária. Foram distribuídos laços e balões rosas, as profissionais de saúde mental reforçaram a importância de se tocar e se cuidar, e de priorizar a saúde.