8 de fevereiro de 2024

Assembleia do Sinteal define pauta de luta para 2024 em Maribondo

Na tarde desta quarta-feira (7), o Sinteal realizou a primeira assembleia geral do ano com profissionais da rede municipal de educação de Maribondo. Na pauta, um breve resgate sobre as lutas realizadas em 2023 e definição da luta para 2024.

Dirigentes do núcleo regional Palmeira dos Índios apresentaram as ações do sindicato e defenderam a importância da filiação e participação da categoria. “A luta se faz com a base unida e o sindicato forte! É importante que se filiem e juntem-se a nós na luta. Sem filiados, o sindicato enfraquece. Precisamos de todos os profissionais da educação para fortalecer nossas ações e assegurar/manter prestação de nossos serviços neste município”, ressaltou Maria da Saúde, presidenta do núcleo regional.

Ela relatou que a gestão municipal tem tentado enfraquecer a atuação sindicato criando exigências em relação à documentação da categoria com o Sinteal.

“O município impôs obrigatoriedade de assinar um documento na secretaria de educação sobre a sindicalização e desconto de contribuição. A entidade reconhece a necessidade de atualizar os cadastros e iniciou um recadastramento em 2023, mas reconhece que a categoria tem tido dificuldade em comparecer. Vamos visitar as escolas esse ano para facilitar”.

Em relação à campanha salarial, a presidenta apresentou a perspectiva de crescimento do Fundeb para 2024 e o valor de reajuste do piso do magistério. A categoria definiu a necessidade de valorização salarial com realinhamento das tabelas de vencimento para superar a defasagem dos salários.

Por último, o vice-presidente, Carlos Teles, apresentou informações sobre os precatórios do FUNDEF. “O município já contratou o técnico que fará a contabilidade dos valores a receber de cada beneficiário”.

Estiveram presentes nesta assembleia os dirigentes do núcleo regional do Sinteal Palmeira dos Índios Maria da saúde, Cristina Mota, Rúbens Alcântara e Carlos Teles.