14 de maio de 2024

Uma jogada de marketing gigante, mas a educação pública apequenada

A Prefeitura de Maceió tem como dever investir na educação pública no município. Mas, em quatro anos de gestão de João Henrique Caldas (JHC), vimos um desmonte da rede educacional, precarizando as relações trabalhistas através de contratos e baixos salários, além da precarização da infraestrutura das escolas.

Valendo-se dos recursos da Braskem, por meio de um acordo que hoje é alvo de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) no Congresso Nacional, JHC financiou a criação de um novos equipamentos voltado para atender o déficit de creches no Município, intitulado publicitariamente de Gigantinhos.

Esses novos equipamentos (06 no total) contam com estrutura próxima da que consideramos ideal, com condicionador de ar em todas as salas e um espaço amplo e confortável para a comunidade. Enquanto isso, na rede pública municipal de educação, vemos escolas sofrendo com carência de profissionais, sobrecarga de trabalho, falta de vagas para os alunos e estrutura física inadequadas nas unidades.

Ao invés de lançar novos concursos e resolver a carência vivida e verificada na rede, a Prefeitura de Maceió realiza contratações temporárias, com salários vergonhosos, não conferindo também a segurança trabalhista para os/as contratados/as que trabalharão nos Gigantinhos, que a qualquer momento podem ser mandados/as embora.

Outro agravante é que, até então, os recursos estão empenhados, mas em algum momento irão acabar. Sem recursos, resta a dúvida se o prefeito JHC continuará investindo nesses equipamentos, ou sua estrutura se somará à da rede pública de ensino, que agoniza com a decadência causada pela falta de cuidado da gestão.

Também é importante ressaltar que o projeto não prevê uma continuidade do acompanhamento das crianças matriculadas, cobrindo apenas a fase de creches, uma vez que essas crianças precisarão seguir seu caminho educacional, mas encontrarão um sistema que não pode comportá-las. E tudo isso porque a gestão não tem um planejamento para a educação.

A pergunta que precisa ser feita é: por que o prefeito não investiu esse recurso para aprimorar a rede pública?! Qual sua intenção ao criar uma rede paralela de ensino, com gestão privada?!

É curioso pensar que isso tenha ocorrido da noite para o dia e justamente num ano eleitoral.

Será o Gigantinhos apenas um projeto para melhorar a imagem pública do prefeito JHC num ano em que ele concorre novamente ao cargo?! Como ficará o projeto depois que acabar o dinheiro oriundo da Braskem?

Queremos ver a educação infantil maceioense vivendo melhores dias, com condições de trabalho e estrutura digna para os/as alunos e seus profissionais, assim como digno atendimento à comunidade, envolvendo pais e famílias à escola. Essa jogada de marketing joga contra essa evolução.

Prefeito JHC, não use a educação mais uma vez como “moeda política”. Tenha a responsabilidade e o compromisso que seu cargo exige como servidor da população de Maceió.